Conheça todo o âmbito da consultoria empresarial

Você sabe o que realmente é consultoria? Você conhece a relevância da consultoria empresarial para a competitividade no mercado?

Não? Então continue lendo, pois este artigo responderá suas dúvidas!

Neste artigo você saberá que a partir de um breve diagnóstico de necessidades e o planejamento do projeto, sua empresa pode alcançar melhores objetivos mediante o mercado em que está inserida. Algumas das questões que serão respondidas neste artigo são:

  • O que é consultoria?;
  • Por que contratar uma consultoria?;
  • Quais são as diferenças entre consultoria e auditoria?;
  • Como saber se pode dar certo?;
  • OPORTUNIDADE.

O que é consultoria?

Consultoria Empresarial é um tipo de prestação de serviço feito de maneira totalmente
Personalizada e estruturada para atender as necessidades das empesas, de pequeno ou
grande porte, ou profissionais autônomos. A preocupação com os resultados são o foco
dos consultores, que buscam gerar o melhor impacto no mercado através dos progressos
que o projeto pode alcançar. Este serviço é realizado, em maior escala, por Empresas
Juniores
, que são organizações sem fins lucrativos, compostas por jovens estudantes
que possuem o suporte de mestres e doutores e assim trazem inúmeras inovações para o
mercado, para conhecer mais, acesse o site da Brasil Júnior. Os processos começam a
partir de um briefing com os gestores, onde são definidos os objetivos e a estratégia
que deverá ser abordada ao longo do projeto para buscar alcançar os desejos e sanar
as dores
do cliente. Todo o serviço requer investimento de tempo e recursos, que são
melhor geridos dentro de um planejamento de orçamento, controle de atividades
e cronograma, para tornar possível o trabalho do consultor na execução do projeto.

Por que contratar uma consultoria?

Agora que já explanamos o que é e como funciona a consultoria empresarial, iremos
elencar cinco benefícios que podem ser alcançados pela contratação deste serviço.

  1. Solução de problemas: com a visão externa de um consultor que vai captar
    dados, informações e conhecer mais da rotina na empresa, é mais fácil criar
    saídas para as dificuldades rotineiras do trabalho.
  2. Otimização do tempo: tanto dos funcionários quanto dos gestores, pois ao
    eliminar GAPS, que são quebras de continuidade, uma disparidade entre coisas,
    pessoas, níveis financeiros ou mentalidade, a execução dos serviços pode se tornar
    mais ágeis e eficazes.
  3. Gerir crises: captando tendências, o consultor pode levantar dados do setor de cada
    empresa a partir de uma pesquisa de mercado e aplicar planos de ação para acompanhar
    as novidades.
  4. Alavancar resultados: esta já entra como uma consequência dos benefícios citados
    acima, pois, melhorando toda a administração da empresa e fortalecendo a marca,
    mais clientes podem chegar até o seu produto ou serviço.
  5. Maior longevidade: Alcançando todos estes melhoramentos, pode ser aumentado
    o tempo da empresa no mercado, atuando sempre com a melhoria contínua e
    atingindo maiores níveis de excelência no setor.

Qual a diferença entre consultoria e auditoria?

Infográfico informando a diferença entre Consultoria e Auditoria
Legenda: Infográfico informando a diferença entre Consultoria e Auditoria

Como saber se pode dar certo?

A partir dos resultados que já foram mensurados nos projetos das empresas
que realizaram consultoria empresarial, podemos analisar casos de sucesso
de empresas que alavancaram seus resultados em pouco tempo aplicando os
referenciais fornecidos pelo serviço. A Yes7 é um dos maiores exemplos de sucesso
na ADM. A empresa ainda estava no processo de nascimento e por isso não possuía
Know How, referenciais táticos ou organograma. Então a ADM Soluções realizou
serviços na área de mapeamento de processos, estratégia e estrutura organização.
A partir do serviço e das reuniões realizadas em conjunto com os gestores da empresa,
foi criado a logomarca da Yes7, foram definidas as de metas e processos da empresa e
feito uma análise e descrição dos cargos dos funcionários da marca.

Este blog post foi desenvolvido pela consultora da ADM Soluções Lia Passos.

Como saber a viabilidade de um projeto?

Ideias dos mais diversos tipos surgem a todo momento. Ideias de como empreender são uma delas. Porém, muitos têm dúvidas de que forma investir, se será algo que lhe trará retorno, se pode iniciar de forma intuitiva, e vários outros questionamentos que vem com a ideia de empreender. Com este artigo, você irá aprender algumas técnicas de como analisar a viabilidade de projetos.

Nesse artigo você vai aprender:

  • O que é a análise de projetos;
  • Quais as etapas que compõem uma análise de projetos;
  • Como avaliar o projeto;
  • O que é a análise de projetos?

A análise de viabilidade tem como objetivo ajudar o empresário a avaliar o plano de investimento a ser realizado, demonstrando a viabilidade ou inviabilidade do projeto. Ela mostra o comportamento futuro de um investimento de recursos, possibilitando a análise através do cálculo de indicadores que irão ajudar na decisão da melhor forma de aplicação destes recursos. Consiste em uma projeção detalhada de entradas e saídas de caixa de um empreendimento, através de estudos de análise do mercado, bem como dos custos, despesas e receitas, tanto para implantação como para continuidade da empresa.

O estudo de viabilidade econômica tem grande importância, pois servirá para tomada de decisão de maneira mais racional, tendo o objetivo de ajudar o empresário a avaliar o plano de investimento a ser realizado. Torna-se imprescindível neste contexto empresarial, visto que as decisões sobre novos investimentos envolvem valores significativos e, que, geralmente, têm um alcance em longo prazo. Trata-se, portanto, de uma tentativa de minimizar os riscos e maximizar o retorno para o detentor do capital.

Que decisão tomar?

  • O que preciso saber?

Para dar início ao seu estudo de análise de viabilidade de projeto, é necessário seguir alguns passos padrão. Tais passos são sugeridos por vários especialistas da área, mas podem sempre ser adaptados à sua realidade.

  • Estudo de Mercado

Esta fase tem o objetivo de estudar os fatores macroeconômicos acerca do seu mercado. A partir deste levantamento, será possível definir variáveis de custos, despesas e receitas do empreendimento. Este estudo é pautado basicamente em duas vertentes: análise da concorrência e estudo dos possíveis consumidores.

Estudar a concorrência é importante no momento de identificar diferenciais de mercado, tornando-se mais competitivo, como por exemplo: margens de preço, localizações estratégicas, tipos de comunicação, diferenciação de produtos etc.

Para novos negócios, torna-se de suma importância por possibilitar identificação quanto a funcionamento do cotidiano de trabalho, número de funcionários, período de sazonalidade, principais dificuldades enfrentadas, horário de funcionamento, etc. Conhecendo tais dados, o empreendedor saberá quais serão suas maiores dificuldades e, assim, poderá planejar e administrar os riscos provenientes de tais aspectos.

Já no estudo dos consumidores, que está fortemente ligado ao estudo anterior tem como objetivo definir e descrever o público alvo do serviço/produto, possibilitando um melhor conhecimento do perfil do consumidor, da demanda, do tamanho do mercado e do quanto estão dispostos a pagar pelo serviço/produto, além de identificar as necessidades dos clientes que não vêm sendo atendidas pelos concorrentes.

  • Análise de estrutura do negócio

Essa etapa consiste em descrever como o empreendimento será estruturado. Além de defini-lo,tanto em relação ao físico, como a processos administrativos e equipamentos necessários para o seu funcionamento. Esse processo utiliza fatores fixos e variáveis de produção que, devidamente combinados, permitirão a obtenção do serviço desejado. Nesta etapa será necessária valorar toda a estrutura do negócio, atribuindo possíveis gastos com estes processos.

  • Estudo das receitas e desembolsos

O objetivo principal do estudo de receitas e desembolsos operacionais é estimar o fluxo de caixa operacional do empreendimento. Essa estimativa é gerada a partir dos dados constantes nos estudos elaborados anteriormente e de estimativas de execução das atividades operacionais ao longo da vida útil do empreendimento.

Viabilidade de projetos

Podemos considerar quatro etapas básicas para a elaboração do fluxo de caixa operacional, são elas:

1º Passo: Elaborar o plano de contas;

2º Passo: Projetar Receitas Operacionais;

3º Passo: Projetar Custos Produtivos;

4º Passo: Projetar Despesas Operacionais.

Com essas informações, é possível projetar de forma consistente e assertiva os gastos futuros com o investimento pretendido.

  • Estudo de investimentos

Tem o objetivo de estudar o que será necessário, tanto em ativos fixos (bens necessários para a atividade) quanto o capital de giro para o funcionamento do empreendimento. Mostra o montante do valor inicial necessário, bem como identifica em quanto tempo será necessário repor tais valores. Esse estudo se dá após as fases anteriores, feitas de forma consistente.

Esse conteúdo traz um guia rápido de como fazer investimentos no momento correto para a sua organização.

  • Estudo dos financiamentos

O estudo de financiamento visa a determinar como os investimentos e reinvestimentos necessários ao empreendimento serão financiados. A decisão de financiamento deve identificar a melhor composição das várias fontes de capital disponíveis para financiar o projeto. Tal decisão também requer verificar as fontes disponíveis, juntamente com suas vantagens, desvantagens, restrições em termos de exigências e os custos de capital. As fontes de recursos podem ser internas ou externas, formadas pelo capital próprio e pelo capital de terceiros respectivamente.

  • Capital Próprio

É composto pelos recursos disponibilizados ao empreendimento por parte dos seus cotistas ou acionistas. É todo capital fornecido pelos proprietários do empreendimento, representando uma parcela de sua propriedade. Sua principal vantagem é a não exigibilidade do retorno. A principal desvantagem é pelo ponto de vista do proprietário, já que este corre o risco de não reaver o valor ou ganho sobre ele.

  • Capital de Terceiros

É todo recurso aportado no empreendimento originado de alguma dívida contraída junto a terceiros. Esse capital tem sua origem em bancos comerciais, bancos de desenvolvimento e instituições de fomento, por exemplo. Eles disponibilizam recursos para o empreendimento, que, por sua vez, compromete-se a remunerá-los com o pagamento de juros. Uma das vantagens é o benefício tributário gerado pela dívida em empreendimentos tributados pelo lucro real. A principal desvantagem da dívida é o risco financeiro assumido.

  • Como avaliar a viabilidade do projeto?

Após a elaboração dos estudos e de todas as informações coletadas, o projeto está praticamente pronto para ser apresentado. Antes, porém, a última etapa requer a consolidação das informações desses estudos, de forma que haja uma visão integrada dos fluxos de caixa projetados. Para isso será desenvolvido um fluxo de completo do negócio, unindo todas as informações obtidas nas etapas anteriores, permitindo uma verificação global do empreendimento.

Por fim, serão calculados os indicadores financeiros do negócio. Dentre eles estão: período de payback, índice de lucratividade, valor presente líquido, taxa interna de retorno.

Contas

  • Conclusão

Após realizar todo este levantamento do seu investimento, você terá a possibilidade de visualizar o comportamento da sua aplicação. Assim, poderá escolher, de acordo com os indicadores, aquilo que lhe for mais atrativo de acordo com suas preferências.

Créditos: Esse artigo foi feito em parceria com a Inova Empresa Júnior.