Como o COVID-19 afetou o setor de transporte

os efeitos do covid-19 no setor de transporte

Como o COVID-19 afetou o setor de transporte

Desde o começo da pandemia do coronavírus, muitos setores da economia foram afetados. No post a seguir, veremos como a Covid-19 afetou o setor de transporte, especificamente. 

1. O quadro atual

O setor de transporte no Brasil, há anos enfrenta dificuldades. Desde 2013, o setor apresenta perdas anuais. Agora, com a crise do Coronavírus, a queda na demanda de passageiros caiu mais de 70% e o sistema, que emprega quase 2 milhões de pessoas, ameaça colapsar.

No mais, a Associação Brasileira de Transporte Terrestre e Passageiros (ABRATI) e a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) estimam entre 2,5 e 2,8 bilhões de prejuízo – cerca de 40% do faturamento anual.

2. Recuperação

Além disso, as chances de recuperação também são pessimistas. Segundo uma pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) que entrevistou mais de 700 empresas do setor, sem ajuda do governo, 28,2% das empresas dizem que não aguentar um mês e 25,5% resistiriam por apenas 30 dias. Do mesmo modo, 34,5% acredita que os impactos da crise no setor de transportes vão durar de quatro a oito meses e 19,5% esperam que dure por um ano.

Ainda segundo a pesquisa, a fim de mitigar a crise do sistema de transporte, 51% dos entrevistados acreditam que deve ser criado linhas de créditos com prazos maiores e juros reduzidos. No mais, 43% também defendem que seja suspensa a cobrança do PIS-Cofins.

3. Expectativas futuras

Procurando abrandar a crise do transporte público, a Câmera do Deputados aprovou uma ajuda de 4 bilhões de reais para o sistema de transporte. Da verba fornecida, 1.2 bilhão deve ser encaminhado para o Distrito Federal e para os estados e 2.2 bilhões devem ser distribuídos para os municípios. 

Através desse auxílio, o governo espera evitar o colapso do setor além de incentivar melhorias tecnológicas como a adoção do sistema de bilheteria eletrônica. Em troca, os entes federados que receberem os recursos ficarão proibidos de aumentar o valor das tarifas, além de serem obrigados a manter um quadro de funcionários maior ou igual ao quadro existente em 31 de julho.

Por fim, o auxílio será interrompido caso a renovação do contrato do colaborador não for realizada até 31 de dezembro de 2021.

Esse artigo é parte da série em nosso site, ” Os Impactos do Covid-19″, para conferir a publicação voltada para o setor alimentício, clique aqui.

Para falar com um dos nossos consultores, clique aqui e entenda mais sobre o mercado do transporte!

Os efeitos do Covid-19 no Setor Alimentício

efeitos covid-19 setor alimentício

Os efeitos do Covid-19 no Setor Alimentício

A pandemia afetou praticamente todos os segmentos do mercado mundial no início de 2020. Visto isso, falaremos um pouco acerca desses efeitos do Covid-19 no setor alimentício.

O setor alimentício é, sem dúvidas, um dos maiores e mais importantes setores da economia nacional. Tendo em vista que, de acordo com dados apresentados pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA), a indústria de alimentos – que abrange a produção de produtos alimentares e bebidas – faturou cerca de 700 bilhões de reais, em 2019, que corresponde a 9,7% do Produto Interno Bruto do Brasil (PIB).

 

1. Divisão do Setor Alimentício

Esse setor, é dividido em duas vertentes maiores: Varejo alimentício e Food Service. Entretanto, deve-se levar em consideração, o tipo de negócio, pois uma confeitaria é diferente de um restaurante self-service, por exemplo.

O Varejo Alimentício caracteriza-se pelos comércios, supermercados, atacarejos, entre outros. Já o Food Service representa toda a grade de produção e distribuição de alimentos, desde insumos, equipamentos até serviços.

De acordo com probabilidades realizadas pela Abrasel(Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), cerca de 10% dos restaurantes podem ter as suas portas fechadas definitivamente. Portanto, ao tratar-se de uma estimativa, até o momento não é possível ter números exatos para constatar os efeitos dessa crise pandêmica.

2. Mercado Pré e Durante a Pandemia

 

 

Antes da pandemia, havia uma procura elevada pela vertente de Varejo Alimentício. Entretanto, houve, assim que iniciado o surto de Covid-19, uma redução na compra de insumos. Logo, os estoques de algumas áreas da vertente, aumentaram, fazendo com que produtos viessem a vencer, gerando prejuízos para os empresários e donos de indústrias.

Já na vertente do Food Service, havia uma procura elevada por serviços de delivery. Mas, que em muitos casos, correspondia a somente uma pequena fatia da porcentagem de vendas desse setor. Para melhor entender como trabalhar seu delivery e migrar para o meio digital, clique aqui para conferir essa publicação no nosso blog.

Com o Lockdown criado para evitar a proliferação do vírus, aumentou essa fatia, chegando a cerca de 30% de crescimento no número de pedidos. Dessa forma, aqueles restaurantes e empreendimentos que já desenvolviam esse tipo de serviço tiveram a sua demanda aumentada. Isso tem significado uma possibilidade de continuação dos trabalhos para tantos outros empreendimentos. 

3. Pontos Positivos da Crise do Coronavírus

Toda crise traz pontos e efeitos positivos. A crise do Covid-19 não foi diferente. Dentre eles, o aumento de empreendedores, e busca por alternativas rentáveis para os negócios são alguns desses pontos, fazendo com que, pessoas que não empreendiam e empresas que não se reformulavam e não se adequavam aos clientes, tomem esse tipo de decisão, trazendo a mudança para o ramo alimentício.

 

 

 

4. Ações Realizadas:

 

Várias ações estão sendo feitas por empresas de grande porte para ajudar esse mercado e a Abrasel tem desempenhado um importante papel na busca por levar soluções e informações a seus associados. Ela lançou na semana do dia 20/04/20 o “Guia para uma entrega segura em casa para todos”. De acordo com a Abrasel o objetivo do guia “é ajudar empresas, clientes e parceiros a cumprirem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate e na prevenção da Covid-19, partindo das especificidades de cada tipo de entrega e cada etapa do processo.”

A Abrasel também criou um whatsapp direcionado ao suporte e orientação para donos de bares e restaurantes com o intuito de sanar as dúvidas e as incertezas desses empresários em relação ao setor. Então, clicando aqui, você pode visitar o site da associação e informar-se mais sobre essa iniciativa.

Para estar falando com um dos nossos consultores e entender melhor sobre os efeitos do Covid-19 no setor alimentício, clique aqui.

 

Como se recuperar de uma crise?


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /var/www/html/admsolucoes.com.br/web/wp-content/plugins/email-before-download/includes/class-email-before-download-db.php on line 56

Como se recuperar de uma crise?

 

“Mais de 30% das empresas de todos os setores já sentiram os impactos da pandemia de coronavírus sobre seus negócios em março de acordo com o levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV). A instituição incluiu nas suas sondagens do mês tópicos especiais para pesquisar os efeitos da crise sobre empresas e consumidores”.

Fonte: Mais de 30% das empresas sentiram impacto de coronavírus em março, diz FGV. Exame, 2020. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/economia/mais-de-30-das-empresas-sentiram-impacto-de-coronavirus-em-marco-diz-fgv/>. Acesso em: 16 de abril de 2020.

A CRISE

Essa crise causada pelo COVID-19 bateu na porta de todos os empreendedores do mundo. Isso fez com que mais de 30% das empresas tivesse impactos quase irreversíveis, e até mesmo o fechamento de diversos empreendimentos. Tais empresas deixaram de faturar devido à baixa nas suas vendas e transações comerciais. Você, empreendedor, deve se perguntar “e agora? Que passos tomar para se recuperar de uma crise?”

E com o intuito de nortear os empreendedores brasileiros num recomeço para o seu negócio, a ADM Soluções consultoria em gestão empresarial, trouxe esse conteúdo especial.

Então você deve se perguntar: mas afinal, que passos tomar para se recuperar de uma crise?por onde devo começar? O que eu tenho de fazer? É possível se readaptar à uma nova realidade sendo um modelo de negócio que já tinha se consolidado no mercado? A resposta para essas e outras perguntas estão logo abaixo, esperamos que o conteúdo agregue bastante valor ao seu negócio.

Para isso considere inicialmente que após o surto do vírus você se deparou com contas a pagar, baixo faturamento, a empresa já não possuía clientes e não tinha controle sobre suas atividades internas. Todos os seus colaboradores estão em casa, todos os seus clientes também, e isso fez com que os resultados desse mês não alcancem seus objetivos, e você percebe que se permanecer nessa situação por mais 2 ou 3 meses, a sua empresa pode beirar a falência.

O primeiro passo que você deve tomar é organizar tudo, as atividades tomaram um rumo que você não podia controlar. Então primeiramente:

O PRIMEIRO DOS PASSOS É ORGANIZAR A CASA:

Liste num papel quais são as principais atividades realizadas na sua empresa, desde o atendimento até a entrega de seu produto ou serviço. Para tornar mais claro observe a lista abaixo considerando como se um restaurante listasse suas principais atividades cotidianas.

Identifique quais dessas atividades tiveram maior impacto devido ao vírus. No nosso exemplo podemos utilizar o atendimento ao cliente visto que o isolamento social impede que haja a interação direta com os clientes.

O próximo passo é utilizar o Process Model Canva, para identificar quais os processos dessa atividade necessitam de alteração ou de atenção. Preencha o formulário abaixo para fazer download do documento:

 

Siga o exemplo acima para identificar os pontos que necessitam maior atenção.  Após identificar quais são as atividades que são impossibilitadas de serem realizadas devido a pandemia, você busca encontrar saídas para tornar possível aquela atividade. Se não houver saídas (mesmo após uma pesquisa de como os concorrentes estão atuando com esse processo), veja a possibilidade de excluir essa etapa do processo.

Feito isso, você terá sua organização preparada para atuar no ambiente de crise em que estamos. Não esqueça de ser bem criterioso nos processos. Identifique qualquer mínimo detalhe que possa ser otimizado nas atividades da sua empresa, e lembre de deixar bem visual para ajudar no seu processo criativo, e sempre busque fontes externas, que possa auxiliar no entendimento do processo, visando uma melhor atuação dessa atividade. Após estruturar sua organização siga para o próximo passo!

ANALISE O SEU NEGÓCIO E O QUE PRECISA RECUPERAR

Após ter estruturado todas as atividades operacionais do seu negócio durante o período de crise, avalie como ele pode se comportar frente aos concorrentes e frente a nova realidade econômica. Faça uma análise das forças e fraquezas do seu negócio, identificando características internas que tornem o seu negócio e o seu produto um diferencial no mercado. Além disso, busque as oportunidades em tendência no mercado, para isso veja a lista de sites que identificam tendências de mercado logo abaixo:

– TREND WATCHING:

Com o trending watching é possível assinar as News para receber constantemente relatórios sobre as tendências de mercado para seu negócio, é possível também ter relatórios muito mais detalhados no plano pago.

Clique aqui para visitar o site: https://trendwatching.com/freepublications/

– SPRINGWISE

O site organiza as tendências mais recentes através de seus colaboradores que estão presentes ao redor do globo, identificando assim, não só tendências regionais, mas também globais.

Clique aqui para visitar o site: https://www.springwise.com/

– COOL HUNTING

Com tendências em design, cultura e tecnologia, o site gera diversos insights que ajudam o leitor a encontrar saídas para o seu negócio.

Clique aqui para visitar o site: https://coolhunting.com/

– K-HOLE

O site disponibiliza constantemente relatórios em PDF baseados nas tendências enxergadas em Nova York que pode servir de embasamento para acontecimentos globais. A equipe do site já prestou serviçi para empresas como MTV, Kickstarter, Stella Artois e MoMA.

Clique aqui para visitar o site: http://khole.net/

– WGSN Insider

Com dedicação a equipe dessa organização buscam entender o futuro para traçar novas tendências. O site possui um blog bastante intuitivo, com conteúdos ricos que vale a pena dar uma conferida.

Clique aqui para visitar o site: https://www.wgsn.com/blogs/strategy/technology/

CONTABILIZE AS PERDAS DURANTE A CRISE

Após identificar oportunidades, e ajustar o seu negócio a um novo posicionamento de mercado, identifique quais foram as perdas que sua empresa obteve nesse curto período pelo qual passou em crise. Identifique quais são as principais dívidas, os impostos, enfim, os mais diversos gastos gerados pela crise.

Para te auxiliar um pouco sobre como estruturar sua empresa financeiramente, dê uma olhada em como nos organizamos a estrutura financeira de nossos clientes aqui na ADM Soluções.

RENEGOCIE AS DÍVIDAS E REDUZA GASTOS

Identifique quais são os maiores centros de gastos, e quais são os fornecedores/colaboradores que precisam ser pagos ainda, e renegocie!

Todos estão passando pela situação e sabem o quão difícil está sendo para o comercio se manter. Estabeleça um acordo para que sua dívida seja paga em longo prazo. Mas não só estabeleça, defina metas individuais e corporativas para que esse objetivo seja alcançado e que não haja um acumulo nas suas dívidas.

Além disso, reduza os seus gastos operacionais. Em tempos de crise você precisa atuar com o mínimo produto viável. Ou seja, um produto que agregue maior valor, mas que tenha um custo reduzido. Isso ajuda a criar uma margem maior de ganhos para a empresa.

IDENTIFIQUE AS OPORTUNIDADES

Aproveite todos os benefícios que o mercado possa oferecer para sua empresa! Desde uma campanha do governo para auxílio de pequenos empreendedores, até um investimento em consultoria empresarial, que possa trazer um maior direcionamento e um auxilio na tomada de decisão baseada em fatos e dados. Não esqueça que mesmo em período de crise, existem oportunidades de recuperação, onde a sua empresa pode se sobressair aos concorrentes.

A Forbes abriu um canal para ajudar pequenas e médias empresas. O serviço Forbes Pitch, contará com a curadoria da Forbes que irá avaliar a idoneidade da empresa, número de funcionários, serviços oferecidos, presença on-line e capacidade de entrega. Para participar basta preencher um formulário na página do anúncio e enviar um vídeo gravado de até 15 segundos e a logo da empresa. O link para se inscrever na campanha da Forbes está logo abaixo:

Clique aqui para acessar a página!

CONSTRUA E EXECUTE UM PLANO DE AÇÃO

Após ter passado por todo processo de estruturação, você saberá como o seu negócio pode se comportar na conjuntura atual da economia, e que passos tomar para o seu negócio se recuperar de uma crise. Agora liste todas as atividades que precisam ser feitas para que tudo isso possa ter início. Com todas as atividades essenciais, que fazem com que seu negócio possa funcionar na prática, priorize numa escala de impacto/esforço, para identificar quais são os primeiros passos que você deve trilhar para que seu negócio comece a andar.

As atividades que necessitarem de maior esforço e com pouco impacto, podem ser descartadas ou despriorizadas. As que tiverem pouco esforço e pouco impactos terão baixa atenção. As que tiverem alto esforço e alto impacto, podem ser colocadas em segundo plano. Já as que tiverem baixo esforço e alto impacto, devem ser executadas urgentemente.

Monte um plano contendo seus passos para se recuperar de uma crise, objetivos organizacionais, o que indicará que esse objetivo foi alcançado, quais são as ações e quais os ganhos caso alcance esse resultado. E além disso, o mais importante, não só construa um plano sem ação. O plano não passará de mensagens no papel se você não colocar em prática tudo aquilo que decidiu alcançar.

Esperamos ter ajudado com o conteúdo!

Lembrando que você pode sempre contar com nosso auxilio para toda essa estruturação. Não perca tempo e alcance os resultados tão esperados da sua empresa.

Posts Relacionados:

5 passos para definir seu modelo de negócio

Vivemos em um mundo de constante processo de atualização. As informações transitam de uma ponta do globo a outra em questões de segundos. Algumas empresas crescem, outras têm baixa e algumas até mesmo deixam de existir. Tudo isso devido à falta de conhecimento do mercado que atuam. O que torna o seu negócio antiquado ao modelo atual em voga.

Um relatório do Sebrae, sobre o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil, demonstra o cenário preocupante no qual temos que 24,4% das empresas abertas, fecham as portas com menos de 2 anos de existência, e 50% com menos de 4 anos.

Visto isso podemos listar uma série de motivos para esses números como: a política atual, impostos altíssimos, poucos fornecedores de matéria prima etc. Visto isso o principal motivo para a queda dessas empresas é a ausência de um planejamento do negócio, e um estudo mercadológico sobre seu modelo de negócio (público alvo, tendências do mercado etc).

“Estar interessado no futuro pode parecer óbvio, porém nem sempre é uma realidade. Existem muitos empresários e executivos que não estão interessados no futuro de suas organizações. Alguns deles são saudosistas do passado, outros só estão preocupados com o imediato. Aqueles que realmente estão preocupados com o futuro trabalham para fazê-lo e se obrigam a agir de forma estratégica”. (GAJ, 1987).

 

QUAL A IMPORTÂNCIA DE PLANEJAR SEU MODELO DE NEGÓCIO?

Existem duas palavras que direcionam o sucesso das grandes empresas, e elas são: ESTRATÉGIA e PLANEJAMENTO. O conceito de estratégia foi transferido do campo militar para a gestão organizacional. Significa a arte de explorar condições favoráveis para alcançar objetivos específicos. Ou seja, é a busca pelo melhor caminho a seguir. Levando em consideração a interação do ambiente interno da empresa com o ambiente externo. Além de permitir uma análise de posicionamento do negócio em que a sua empresa seja estrategicamente favorável às tendências mercadológicas.

Certamente é normal termos dúvidas sobre o que é o plano de negócios quando nunca tivemos um contato com ele antes. Ele nada mais é do que um documento descritivo sobre o seu negócio. Visa apresentar a empresa para fornecedores, investidores, parceiros e colaboradores. Porém todo esse documento deve ser elaborado estrategicamente, visando perpetuar a empresa e definir o futuro da empresa, analisando todos os dados atuais e traçando medidas à serem tomadas para que seus objetivos sejam alcançados.

Portanto o plano de negócios é quem vai dizer o que sua empresa vai ser daqui há alguns anos, onde ela vai atuar, por qual motivo esse modelo de negócio lhe atrai, quem são os responsáveis pelos processos internos, quem são os compradores e investidores, quando ela vai se tornar o que você quer que ela seja, quanto vai custar esse desenvolvimento, quanto ela vai lhe trazer de retorno e principalmente como você vai fazer tudo isso acontecer.

Viu como é importante ter um plano para o seu negócio? Agora vamos ver os principais pontos para guiar o plano:

COMO MONTAR O SEU PLANO DE NEGÓCIO?

Abaixo seguem as principais etapas para que seu negócio seja bem estruturado e tenha uma base concreta para funcionamento.

                                                                         

1. Ideia:

Todo negócio precisa partir do papel. Essa etapa é a concepção geral do seu negócio, onde você deve jogar todas as suas ideias e informações sobre o negócio que você quer montar, e fazer uma descrição breve para guiar a construção do modelo de negócio. Algumas informações são cruciais para esse momento como:

  • O que é a empresa?
  • O que o plano pretende?
  • Qual o produto/serviço da empresa?
  • Onde a empresa está/estará localizada?
  • Onde está o mercado/cliente da empresa?
  • Por onde a empresa irá se comunicar com o público?
  • Por que a empresa elaborou um plano de negócios?
  • Por que a empresa precisa de recursos?
  • Como a empresa empregará os recursos?
  • Como está/estará a saúde financeira do negócio?
  • Como está/estará crescendo a empresa?
  • De quanto recurso a empresa necessita?
  • Quanto será o retorno do investimento?
  • Quando o negócio foi criado?
  • Quando a empresa precisará de recursos?
  • Quando ocorrerá o retorno sobre os recursos?
  • Quem realizará as tarefas?
  • Quem é o cliente?
  • Quem elaborou o plano de negócios?
  • Qual a lucratividade pretendida da empresa?

É de suma importância que todas essas informações sejam retiradas em conjunto, num compilado de ideias, com todos os e.nvolvidos no desenvolvimento do plano. Pois todas essas informações trarão uma particularidade ao negócio definindo o seu perfil estratégico, alinhado ao perfil dos sócios, colaboradores e investidores.

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR UM MODELO DE SUMÁRIO EXECUTIVO PARA DESENVOLVIMENTO DA SUA IDEALIZAÇÃO DO NEGÓCIO.

                                                                                   

2. Mercado:

Após a definição do seu posicionamento estratégico, e a concretização de como será a operação do seu negócio, partimos para o estudo mercadológico. Para o estudo mercadológico é importante demonstrar auto conhecimento sobre a empresa, e um conhecimento do contexto de mercado ao qual está inserida. A analise do mercado permite avaliar todos os envolvidos no processo de compra e venda de produtos/serviços, como concorrentes, fornecedores, investidores e clientes.

Para definição de mercado de atuação é necessário fazer uma análise setorial, buscando dados referentes a tamanho, índice de crescimento e estrutura do setor de mercado em que a empresa atuará.

Após identificado o mercado geral, busca-se a segmentação do público-alvo, que deve ser definido a partir das características do produto, do perfil do consumidor e outros fatores que afetam diretamente no consumo do produto. Para isso realizamos a pesquisa de mercado, visando conhecer a aceitação e o comportamento do público, facilitando o posicionamento da marca para atrair clientes que possuem maior adesão à esse produto.

Por fim, analisamos a concorrência . Como já dizia o mestre da guerra Sun Tzu:

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo e nem a si mesmo, perderá todas as batalhas…”.

Informações importantes para coletar sobre como o mercado opera atualmente, são importantes para trazer insights para o seu negócio. Segue a lista de informações necessárias que devem ser obtidas de seus concorrentes:

  • Número de vendedores e grau de diferenciação;
  • Barreiras à entrada e mobilidade;
  • Barreiras à saída e encolhimento;
  • Estrutura de custos;
  • Estratégias de vendas;
  • Composto de produtos/serviços;
  • Forças e fraquezas.

FAÇA SUA PESQUISA DE MERCADO CONOSCO!

3. Negócio:

Essa etapa se refere à forma da empresa operar. Desde a estrutura gerencial até a operação cotidiana, distribuição e controle dos produtos ou serviços. Aqui você deve definir como a empresa realiza seu trabalho, como cuida da qualidade dos produtos e processos, como utiliza seus equipamentos e recursos, como se relaciona com as pessoas que fazem parte do quadro de colaboradores, como controla seus custos etc.

Para isso, você deve estruturar o organograma da empresa, representando os níveis de autoridade dos cargos, além de definir o procedimento operacional padrão e analisar todos os processos da organização de forma que torne uma operação fluida, com qualidade na sua execução.

Além disso, deve se observar o quadro de distribuição do trabalho. O qual visa definir quais serão as atividades e quais o responsáveis por cada atividade, otimizando sempre o tempo e evitando sobrecargas nos colaboradores.

4. Projeções:

Tendo toda a estrutura da organização definida, chegou a hora de analisar a estruturação financeira. A análise financeira deve ser apoiada por dados, para que se torne tangível o sucesso do negócio, e o seu retorno sobre o investimento.

Segundo o livro Plano de Negócio – Estratégia para Micro e Pequenas Empresa, de Luiz Arnaldo Biagio e Antonio Batocchio, a inclusão de um plano financeiro no plano de negócio, deve demonstrar um conjunto de projeções que possam refletir o sucesso futuro da empresa.

Ou seja, as projeções financeiras devem garantir com base em dados, que a empresa trará um retorno e conseguirá se manter viva, nos mais diversos cenários econômicos. Isso dirá a você se o seu negócio é viável ou não de ser implementado.

O plano financeiro deve conter o balanço patrimonial, a demonstração de resultados, plano de investimentos, fluxo de caixa pretendido, planilha de custos e plano de vendas.

Visto isso, você deve estabelecer metas financeiras, para que toda a operação da empresa se baseie em alcançar tais objetivos, levando em consideração todos os dados levantados no plano financeiro. Além disso, as metas devem ser acompanhadas constantemente, garantindo o sucesso do plano e a saúde financeira do negócio. Veja um método para acompanhamento de suas metas clicando aqui!

5. Ação:

Em conclusão, temos a mão na massa! É hora de colocar todo o modelo de negócio em ação, contatar todos os envolvidos, correr atrás das metas, trabalhar em equipe, fazer as aquisições, buscar os investidores, apresentar seu plano de negócio a todos e fazer acontecer!

É importante ressaltar a importância do constante processo de melhorias e teste, para estar sempre preparado caso necessite de um plano B. Para isso existe o ciclo PDCA, que você pode conhecer melhor clicando aqui.

Gostou do artigo? Que tal colocar seu negócio para funcionar? Se inscreva nas nossas News pra ficar por dentro de todo conteúdo para te ajudar com o gerenciamento do teu negócio, ou entre em contato com um de nossos especialistas para que possamos te ajudar a alcançar os objetivos da tua empresa!